Não à prisão de Lula: Derrotar o golpe e sua operação golpista Lava Jato!

Lula chega para depor em Curitiba

A Lava Jato, instrumento do Judiciário e aliada da Rede Globo, é mais uma novela sensacionalista. Foi tramada uma farsa para criar um herói, o agente da CIA Sérgio Moro, que se esconde atrás da toga de juiz. A operação faz parte do golpe de estado em curso no Brasil. A Lava Jato é uma operação autodeclarada de combate à corrupção, porém é importante apontar que antes dos governos Lula e Dilma não havia nenhuma política pública de Estado de prevenção e combate à corrupção, por meio da ação articulada entre diversos órgãos: avanços na legislação e participação da sociedade civil.

Com a Lava Jato, foi possível realizar a destruição da economia e do emprego, que causou a derrubada do Governo Dilma. Até inícios de 2016, por causa da operação golpista da lava-jato, o prejuízo no PIB Brasileiro foi de 140 bilhões, enquanto Janot e Moro se vangloriavam de ter recuperado apenas 4 bilhões.

É descabido, como afirma a esquerda pequeno burguesa, criticar à lava-jato apenas por sua seletividade: a atual lista de Fachin cita o tucano Aécio Neves, em contrapartida, isenta o campo majoritário do PSDB, representado por Geraldo Alckmin e o seu artificial pré-candidato presidencial, João Dória.

A Operação Golpista Lava Jato utiliza de métodos ilegais, tais como: As delações premiadas, obtidas mediante a prisão preventiva prolongada ou ameaça de prisão, com tortura física e psicológica; os advogados dos réus só tendo acesso ao processo nas vésperas da audiência, violando o direito de ampla defesa e o exercício do contraditório; condução coercitiva do ex-presidente Lula, sem intimação prévia, constrangendo, intimidando e atacando diretamente a reputação e a dignidade do acusado.

A relação promíscua entre o Juiz Sergio Moro e a Rede Globo – aliança esta, que faz “vazar” informações e delações, com o propósito de influenciar a opinião pública e chantagear o sistema político. Outro membro da corporação do judiciário, Deltan Dallagnol, convoca uma coletiva de imprensa para acusar, julgar e executar a sentença contra o ex-presidente Lula, chamando-o de “comandante máximo da corrupção do país”. Juízes no exercício da sua profissão, fazem aliança com a Rede Globo, Folha de SP e Veja, aceitando premiações mesmo sabendo que estas são inadimplentes com o Fisco – não pagadoras de impostos -, e opositoras e adversárias do réu, o ex-presidente Lula.

O Tribunal Regional Sul reconheceu que as práticas dos membros da Lava Jato são ilegais: afirmam que “escapam ao regramento do direito”, porém, segundo este tribunal, trata-se de uma “operação inédita que deveria ser tolerada”. Portanto para o Tribunal, os mínimos requisitos legais não valem para a operação golpista Lava-jato.

O Judiciário e a Mídia utilizam um pretexto fraudulento de que o maior problema do Brasil é a corrupção: em dados oficiais, a corrupção desviou até 2015 40 bilhões de reais; enquanto se registram desvios gigantescos em evasão de divisas – apenas em 2011, o Brasil perdeu 490 bilhões de reais; na sonegação de Impostos, em 2014, registrou 501 bilhões de reais; em 2016, as empresas privadas sonegaram quase 1 trilhão de reais. No ano de 2016, o Brasil perdeu 150 bilhões de reais na Dívida Pública; em 2015, até 31/dez, consumiu R$ 962 bilhões correspondente à 42% do gasto federal. Isso deixa evidente que o debate da corrupção é apenas um pretexto moralista, para escamotear os graves problemas no Brasil.

A ameaça de prisão do ex-presidente Lula, o fechamento do Instituto Lula, os processos de impeachment contra o governador de Minas Gerais Fernando Pimentel(PT), e aos governadores que não aplicaram o ajuste ordenado por Temer, e a disputa no interior do bloco golpista, fazem parte do processo do golpe.

Quem luta consequentemente contra o golpe, precisa estar vigilante no combate contra qualquer perseguição política que viole a Constituição Federal.

Um comentário

Os comentários estão encerrados.