Greve Geral para Derrota do Golpe e todas suas contra-reformas anti-trabalhadores!

O Jornal Voz Operária divulga nota do Jornal Folha do Trabalhador. O Voz Operária destaca a importância de construir um projeto nacional, na defesa dos direitos trabalhistas e da soberania nacional, que derrotar o golpe e construa o bloco único e amplo de unidade dos setores populares e sindicais contra a ofensiva do movimento golpista.

GREVE GERAL, DERROTAR O GOLPE E POVO NO PODER!

Até agora, tudo indica que a Globo e o judiciário, notadamente a Lava Jato, setores do STF, MP e TSE e outras frações golpistas deram um grande passo hoje pela derrubada de Temer.

A paralisação nacional do dia 28/04 inviabilizou momentaneamente a aprovação da contrarreforma da previdência. Os 50 mil contra a Lava jato e em favor de Lula em Curitiba, no dia 10/05, foi outro alerta contra os golpistas. Diante do impasse, a vanguarda do golpe tomou a iniciativa.

Uma possibilidade é que avaliem que Temer tenha perdido a capacidade de executor das contrarreformas e seja preciso criar um fato político que inviabilize o 2018, com isso nem precisa fazer nada contra o Lula. Através de eleições indiretas, o executivo seria esvaziado do poder e um acordo legislativo e judiciário passa a gerir o país provavelmente suspendendo as próximas eleições presidenciais.

A direita golpista defender o “Fora Temer!” e quer dar inicio a ditadura judicial midiática. A política sem políticos, por ditadores da toga, realizada por não eleitos, apoiada no populismo midiático. Para dar início a nova ditadura judicial-midiática é necessário demonizar por completo a política, fechar o Congresso com apoio da “opinião pública” estabelecer um novo regime, mais violento, mais autoritário, mais vassalo do imperialismo. Temer deve ser derrubado pelos trabalhadores, não pela vanguarda golpista.

A esquerda imediatamente sai em defesa de eleições diretas já. É verdade que as eleições indiretas são um novo golpe dentro do golpe que pode entregar o poder para Carmen Lúcia continuar a obra de Temer. Por sua vez “Diretas já!” põe a decisão nas mãos de Gilmar Mendes que definirá as eleições, podendo fraudá-las em favor da legitimação de um Dória, tucano como ele. É preciso superar a política teatral e performática de agitação sem organicidade junto a população trabalhadora nem consistência estratégica rumo a saída revolucionária em favor da classe. Por uma greve geral por tempo indeterminado, foi esse o instrumento que os paralisou, meteu medo e criou crise nos golpistas, é esse que pode nos conduzir adiante.

Fonte: https://www.facebook.com/LigaComunista/