Centrais Patronais e Burocracia Sindical tentam esvaziar Greve Geral do Dia 30/06.

Paulinho da força Golpista em ato pelo Fora Dilma com CSP Conlutas

TRAIÇÃO DE CLASSE

Toda a gente que trabalha e que luta pelos direitos gerais da classe trabalhadora e do povo pobre tem acompanhado as mobilizações contra a destruição da previdência pública e contra o aniquilamento dos direitos trabalhistas.

Toda essa gente sabe perfeitamente que Temer, seus ministros e os grandes meios de comunicação estão mentindo descaradamente quando dizem que as “reformas” são necessárias para assegurar o futuro e para o país sair da recessão. Estas são duas retumbantes mentiras! Acabar com o direito de aposentadoria de milhões de pessoas e diminuir os benefícios previdenciários de todos(as) é o oposto de garantir direitos e de promover o progresso social. Aniquilar direitos trabalhistas anula a possibilidade de se construir aqui uma nação soberana. Todos os países que fizeram mudanças parecidas com estas (mesmo que mais suaves) foram para o buraco.

Por conta disso, o Brasil tem sido palco de lutas imensas nos últimos meses. As mobilizações do ano passado, contra o congelamento dos investimentos nos serviços essenciais por 20 anos e contra o desmonte do ensino médio, foram importantes, pois mostraram o caminho. Neste ano de 2017, já fizemos o maior 8 de março da nossa história, no Dia Internacional da Mulher; já colocamos mais de um milhão de pessoas nas ruas no dia 15 de março; já fizemos a maior Greve Geral pelo menos das últimas três décadas, no dia 28 de abril; já colocamos 200 mil pessoas a caminhar sobre a esplanada dos ministérios em 24 de maio. Tudo isso em defesa dos direitos trabalhistas e previdenciários.

Temos o governo mais ilegítimo e mais corrupto da história do Brasil moderno, e só isso já deveria ser suficiente para mais que uma Greve Geral, pelo Fora Temer!

Todos os nossos direitos importantes estão em jogo! Um Congresso Nacional formado majoritariamente por pilantras, financiados com dinheiro sujo dos monopólios empresariais, está aniquilando nossos direitos para agradar justamente quem nos rouba. Só isso já deveria ser suficiente para fazer uma Greve Geral!

E esta segunda greve geral de 2017 está marcada, de comum acordo entre as direções nacionais de todas as centrais sindicais, para o dia 30 de junho.

Sempre achamos o dia 30 de junho, uma sexta-feira (outra sexta-feira!!!) muito pouco. Nós achávamos melhor o dia 28 de junho como dia para começar esta segunda Greve Geral, por ser meio de semana, e data possível de emendar o movimento para a frente. Mas foram as direções nacionais das centrais sindicais quem marcaram o dia 30 de junho. E na base, as 200 mil pessoas que estavam em Brasília no dia 24 de maio e milhões de outras pelo Brasil afora, já estamos construindo a Greve Geral para o dia 30 de junho. Panfletos, jornais, plenárias, reuniões, peças de mídia… tudo isso já está no mundo.

E nos vêm hoje, 14 de junho, alguns dirigentes de grandes centrais querendo desmarcar a data!!!? Se é fato que o Senado vai votar a contrarreforma trabalhista no dia 28 de junho, a postura razoável seria antecipar a data da Greve Geral em dois dias. Desmarcar a Greve Geral porque sua data está atrasada não tem outra palavra para denominar: É TRAIÇÃO!

Traição de Classe é o pior desvio de conduta que um dirigente da classe trabalhadora pode ter. Com esta atitude estão provando que não tem mesmo jeito: vocês terão que ser atropelados, derrotados, pela classe que dizem representar! Vocês estão representando os inimigos da classe trabalhadora! Vocês estão jogando no time do Temer e dos ministros do Temer. Saiam do meio do caminho, parem de confundir quem quer passar! Não atrapalhem a marcha vitoriosa do povo trabalhador brasileiro!

São José – SC, 14 de junho de 2017.

Amauri Soares

Anúncios