Os EUA cobram democracia na Venezuela, porém em 70 anos, participaram de 106 golpes, apoiaram 35 ditaduras e fizeram 37 guerras.

Após o Tribunal de Nuremberg que julgou as atrocidades cometidas pelo Regime Nazista, a Carta de Londres definiu em 1945 três categorias de crimes: O crime de guerra, o crime contra a humanidade e o crime contra a paz. A ONU define como crimes contra a paz o planejamento, preparação ou início de uma guerra de agressão ou uma guerra em violação de tratados internacionais, acordos ou pactos. Participação em um plano comum ou conspiração para cometer algum dos atos mencionados acima. Em 70 anos, os EUA estiveram envolvidos em 37 guerras de agressão.

Durante a Guerra fria, utilizando-se do discurso anticomunista e em defesa da democracia, o Império Norte Americano interveio em todo mundo, conspirando e preparando golpes de estado e guerras, combatendo movimentos patrióticos e progressistas e de libertação nacional na América Latina, África e Ásia. Após a queda da União Soviética, no discurso do Estados Unidos surge a retórica da defesa dos direitos humanos e da democracia para impor seu projeto neoliberal, colonialista e imperialista, subjugam toda América Latina aos governos neoliberais que levaram o continente à extrema miséria. Na Argentina por exemplo, em 2001, 50 % da população encontrava-se desempregada e 30% da população mergulhada em miséria. O desemprego e a fome são políticas do neoliberalismo.

Em um ano de Golpe no Brasil, nosso país está com risco de entrar no mapa da fome por resultado da política desastrosa neoliberal. Não apenas aqui, mas em todo mundo, o Imperialismo aplica uma cruzada neoliberal violenta, que tem desdobramentos assustadores. Segundo a OIT, há 197,1 milhões de desempregados no mundo. Com base em dados da ONU, a fome afeta 1 bilhão de pessoas, sendo 800 milhões desnutridas, cerca de 15 milhões de pessoas morrem de fome a cada ano, 1,3 bilhões não têm acesso à água potável, 100 milhões em situação de rua, 447 mil pessoas foram assassinadas em 2015 e o trabalho infantil cresce a cada ano – o número ultrapassa 160 milhões.

A partir dos anos 2000, o capitalismo entra numa crise profunda. Na América Latina o projeto neoliberal começa a ser questionado, o que leva na Venezuela a vitória de Hugo Chávez, através de eleições democráticas. A Venezuela tornasse o centro político onde iniciamos uma guinada à esquerda com a vitória de forças de viés progressistas e patrióticas que chegaram ao governo da Bolívia, Paraguai, Equador, Chile, Argentina, Uruguai, Nicarágua e Brasil. Apesar de diferenças em cada país, o fato é, que em poucos anos, a classe trabalhadora desses países conquistaram avanços sociais, geração de emprego e renda, aumento real dos salários, redução drástica da extrema pobreza, e elevação no nível de escolaridade -alguns países erradicaram o analfabetismo. A afirmação desse projeto patriótico, progressista e de desenvolvimento regional comprovando assim a perda parcial do controle do Imperialismo no continente Latino Americano, principalmente após a formação dos BRICs.

John Kerry, Secretário de Estado do Governo Obama, falou abertamente no Congresso Nacional que os Estados Unidos deveriam recuperar o controle sobre o “pátio traseiro”. Dessa forma, os EUA adotaram uma estratégia que aproveita as contradições regionais dos países latino americanos, os problemas internos, a fim de agravá-los, gerar turbulência e caos até derrubar, nesse sentido a mídia exerce um poder avassalador capaz de manipular à informação, tendenciar a favor dos interesses gerais da burguesia e do imperialismo, e satanizar quem contraria os ditames da Casa Branca. Recorrem a uma campanha golpista dos grupos internacionais aliados aos grupos nacionais contra o regime de garantia social e do trabalho. Para o neoliberalismo, não se trata de uma questão ideológica, mas de governos que não se submetem às diretrizes de Washington. Uma potência mundial, como os Estados Unidos, é ainda mais perigosa quando sua hegemonia está ameaçada, do que quando expandia seu Império.

Na Venezuela, os meios de comunicação, utilizam a retórica da defesa dos direitos humanos e da democracia para justificar seu intervencionismo. Na realidade, direitos humanos é a menor preocupação que o imperialismo tem. Entre 1945 e 2017, os EUA participaram de 106 golpes de estado, apoiaram 35 ditaduras e fizeram 37 guerras de agressão, causando mais de 20 milhões de mortes em conflitos espalhados pelo mundo.

Aqui listamos alguns desses casos:

2001 – Invasão contra o Afeganistão. Afeganistão é rico em gás e minerais, além de ocupar uma posição geopolítica importante. Segundo a ONU, até 2016, 26 500 mil civis foram mortos e 49 000 feridos.

2002 – Tentativa de Golpe na Venezuela. Os Estados Unidos esteve envolvido no golpe fracassado que durou 47 horas. O Presidente Hugo Chávez foi detido, a Assembleia Nacional e o Supremo Tribunal dissolvido, e Constituição do país, declarada nula. Pedro Carmona foi instalado como presidente interino e revogou todos programas sociais do governo Chávez. Enquanto, aqui no Brasil, a Rede Globo falava de “prisão de Chávez” e exigia novas eleições com um Golpe de Estado em marcha.

2003 – Invasão contra o Iraque. Acusado de possuir bombas de destruição em massa que nunca foram encontradas, o Iraque foi invadido pelos EUA por causa do Petróleo. O saldo da guerra foi quase meio milhão de mortos. Segundo a ONU, apenas entre 2014 e 2016, mais de 18 mil civis foram mortos e 3,2 milhões deslocados no Iraque. O país está mergulhado em guerra civil e crise.

2004 – Golpe no Haiti. Depois de Aristide ser eleito presidente pela segunda vez em 2000, uma tropa de 200 soldados das forças especiais dos EUA treinaram 600 ex-membros do FRAPH e outros na República Dominicana para se preparar para um segundo golpe. Em 2004, lançaram uma campanha de violência para desestabilizar o Haiti, que forneceu o pretexto para as forças americanas aterrarem no Haiti. Aristide foi sequestrado e enviado para África do Sul dentro de um avião norte-americano.

Crise financeira de 2008

2008 – Tentativa de Golpe na Bolívia. Os golpistas tacaram infraestrutura de gás natural e prédios públicos do País. Contra a lei dos Lei dos Hidrocarbonetos alguns estados produtores iniciaram movimento revindicando autonomia diante do país.

2009 – Golpe em Honduras. O golpe levou a repressão severa e assassinatos de esquadrões da morte de adversários políticos, sindicalistas e jornalistas. Na época do golpe, funcionários norte-americanos negaram qualquer papel no golpe e usaram a semântica para evitar cortar a ajuda militar dos EUA conforme exigido pela lei dos EUA. Mas dois vazamentos do Wikileaks revelaram que a embaixada dos EUA foi o principal agente para administrar as conseqüências do golpe e formar um governo que agora está reprimindo e assassinando seu povo.

2011 – Invasão contra a Líbia. A Líbia é um dos maiores produtores de petróleo do mundo e possuía o maior IDH da África. Após a invasão dos EUA, hoje, o país se encontra dividido entre Trípoli e Tobruk, mais de 150 milícias e grupos islamitas como o Estado Islâmico atuam no território líbio. O país atravessa uma grande crise de migração provocada por todo caos nacional fruto da guerra.

2011 – Invasão contra a Síria. A Síria é rica em recursos naturais, localizada em ponto estratégico na região é aliada do Irã e da resistência do povo palestino. Segundo dados da ONU, a guerra deixou 6,5 milhões de refugiados sírios e mais de 300 mil mortos.

2010 – Tentativa de Golpe no Equador. Considerado um atentado não só contra o Equador, mas contra a Alternativa Bolivariana para os povos de nossa América (ALBA) e a União de Nações Sul-americanas (UNASUL), da qual Correa é o atual presidente. O presidente. Os golpistas tomaram aeroportos e quarteis de polícia. Também ocorreu um tiroteio nas imediações do hospital onde o Presidente Correa estava, que se prolongou durante uma hora e que, junto com outros acontecimentos do dia, deixou um saldo de 74 feridos e dois mortos.

2012 – Golpe no Paraguai. Em menos de 48 horas o Congresso Nacional votou pelo impeachment relâmpago de Fernando Lugo. Os parlamentares acusaram o Presidente Fernando Lugo de “fraco desempenho de suas funções” após conflitos entre latifundiários e camponeses sem terra. O governo golpista foi reconhecido de imediato pelos EUA.

2014 – Golpe na Ucrania. Após a derrubada do Presidente Viktor Yanukovych, abriu-se uma ofensiva contra os direitos sociais, liquidando a indústria nacional do país e abrindo caminho para a entrada de multinacionais, afundando a Ucrânia em dívidas com o FMI. Na Ucrânia, o Partido Comunista, O partido de oposição aos golpistas mais influente do país, foi proibido, uma medida antidemocrática do regime apoiado pelos golpistas pró-imperialismo, que ensejou a abertura de uma caçada contra políticos ligados ao PCU. Lei mostraram abertamente o caráter fascistoide do regime colocado no poder com apoio dos norte-americanos. O avanço do fascismo continuou com ataques ao Sindicato dos Portuários de Odessa, onde 36 sindicalistas foram queimados vivos com o silêncio da mídia internacional. O Governo Golpista de Poroshenko utiliza bandos fascistas armados para compor as bases das policias e do exército contra os trabalhadores. Os golpistas também derrubaram diversos monumentos históricos em homenagem aos mortos da Segunda Guerra Mundial na era Soviética.

2016 – Golpe no Brasil. Segundo os Presidentes Putin e da Turquia Erdogan, que teriam ligado para Lula e Dilma. A empresa Cambridge Analytica, empresa que atuou na eleição de Donald Trump, ampliou o alcance das convocações de manifestações durante as chamadas Jornadas de junho de 2013. De acordo com a imprensa norte-americana, Aloysio Nunes (atual ministro de relações exteriores do governo golpista) logo após a votação da admissibilidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff foi aos Estados Unidos para se encontrar com diversas autoridades norte-americanas, dentre elas Thomas Shannom, do Departamento de Estado para tratar dos preparativos do golpe. Através do Vazamento de informações pelo Wikileaks, o financiamento de movimentos golpistas por entidades americanas e outros indícios mostram que os EUA trabalha para derrubar Dilma. O principal partido da oposição, PT, corre o risco de perder o registro, o principal líder de oposição, Lula, é ameaçado de ser preso e pode não participar das eleições e a violência contra os movimentos cresceu.

Outras violações do Império:

Apoio ao Regime de Israel.Desde 1966, os Estados Unidos usaram seu veto do Conselho de Segurança 83 vezes, mais do que os outros quatro Membros Permanentes juntos, e 42 desses vetos foram sobre resoluções relacionadas a Israel e / ou Palestina. A Anistia Internacional publicou um relatório segundo o qual “as forças israelenses demonstraram um insensível desprezo pela vida humana ao matar dezenas de civis palestinos, incluindo crianças, na Cisjordânia ocupada nos últimos três anos com quase total impunidade”. Richard Falk, Relator Especial da ONU para os Direitos Humanos nos Territórios Ocupados, condenou o ataque de 2008 a Gaza como uma “violação maciça do direito internacional”, acrescentando que nações como os EUA “que forneceram armas e apoiaram o cerco são cúmplices nos crimes”. Israel continua a construir assentamentos em violação da IV Convenção de Genebra, tornando mais difícil cumprir as resoluções do Conselho de Segurança que exigem que se retire do território ocupado. Israel permanece além do Estado de direito, protegido da responsabilidade por seu poderoso patrono, os Estados Unidos.

Apoio ao Regime do Apertheid na Africa do Sul. A CIA desempenhou papel decisivo na prisão de Mandela em 1962. O presidente Ronald Reagan, em 1981, disse que o regime sul-africano era “essencial para o mundo livre”. A então primeira-ministra britânica Margaret Thatcher dizia: “O CNA – Congresso Nacional Africano, partido de Mandela – é uma típica organização terrorista… Qualquer um que pense que ele vá governar a África do Sul está a viver na terra do faz de conta”.

Prisão de Guantánamo. Aberta desde 2002, mais de mil suspeitos de terrorismo estão presos no local sem julgamento. Provas cabais de tortura e violações de direitos humanos foram divulgadas amplamente por toda imprensa mundial, porém a prisão americana continua aberta.

Apoio ao narcotráfico no México. O número de mortos nas guerras de drogas no México ultrapassou recentemente 100 mil. O mais violento dos cartéis de drogas é Los Zetas. Funcionários dos EUA chamam os Zetas de “o cartel de drogas tecnologicamente mais avançado, sofisticado e perigoso operando no México”. O cartel Zetas foi formado por forças de segurança mexicanas treinadas por forças especiais norte-americanas na Escola das Américas.

Apoio ao Regime Colombiano.

Fontes:

http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2017/07/1901915-cresce-o-numero-de-civis-mortos-no-afeganistao.shtml

http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2011/12/111215_eua_iraque_numeros_fn.shtml

https://nacoesunidas.org/dois-anos-mais-de-18-mil-civis-foram-mortos-e-32-milhoes-deslocados-no-iraque-alerta-onu/

http://www.esquerda.net/artigo/cia-foi-decisiva-para-pris%C3%A3o-de-mandela-em-1962/30519

https://br.sputniknews.com/oriente_medio_africa/201610206596820-kadhafi-morte-libia/

http://www.dn.pt/mundo/interior/libia-entre-o-caos-e-a-guerra-civil-cinco-anos-apos-fim-de-kadhafi-5452210.html

http://operamundi.uol.com.br/dialogosdosul/os-verdadeiros-terroristas-na-siria-sao-as-tropas-do-ocidente/15012017/

https://www.cartacapital.com.br/internacional/senado-paraguaio-destitui-lugo-e-golpe-relampago-e-consolidado

https://www.cartacapital.com.br/revista/895/honduras-e-paraguai-motivos-de-inspiracao

http://edition.cnn.com/2014/05/22/world/asia/thailand-martial-law/index.html?hpt=hp_t2

http://www.bbc.co.uk/news/world-africa-24496357

http://www.cnn.com/2013/07/03/world/meast/egypt-protests/index.html?hpt=hp_t12

http://www.reuters.com/article/us-chad-coup-arrests-idUSBRE9410WA20130502

http://www.lefigaro.fr/flash-actu/2013/04/22/97001-20130422FILWWW00479-comores-coup-detat-dejoue-autorites.php

http://www.bbc.com/news/world-africa-21653867

http://abcnews.go.com/International

http://www.aljazeera.com/indepth/opinion/2012/07/2012724104721484209.html

http://af.reuters.com/article/topNews/idAFJOE84000K20120501

http://www.alternet.org/world/35-countries-where-us-has-supported-fascists-druglords-and-terrorists?akid=11576.253365.sBnvcN&rd=1&src=newsletter967367&t=6

https://www.pragmatismopolitico.com.br/2015/03/eua-estao-agindo-para-desestabilizar-a-america-latina-diz-historiador.html

http://jornalggn.com.br/noticia/o-quintal-dos-eua-nao-e-a-america-latina-e-a-europa

https://weblogmylife.blogspot.com.br/2016/05/eua-ja-matou-mais-de-20-milhoes-de.html

https://br.sputniknews.com/mundo/201704138141706-eua-daesh-america-latinacaribes-jihadistas/

https://www.diarioliberdade.org/mundo/direitos-nacionais-e-imperialismo/37685-john-kerry,-secret%C3%A1rio-de-estado-dos-eua-am%C3%A9rica-latina-%C3%A9-o-nosso-p%C3%A1tio-das-traseiras.html

https://www.youtube.com/watch?v=QD0qDa4nPLE

http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Internacional/O-fracasso-da-tentativa-de-golpe-no-Equador/6/16183

https://noticias.uol.com.br/ultnot/afp/2008/09/04/ult34u211093.jhtm

https://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/234923/Especialista-americano-denuncia-apoio-dos-EUA-ao-golpe.htm

http://www.jb.com.br/pais/noticias/2017/06/05/haddad-dilma-e-lula-foram-alertados-por-putin-e-erdogan-sobre-protestos-de-2013/

http://www.redebrasilatual.com.br/mundo/2016/04/o-201cgoverno-invisivel201d-dos-estados-unidos-e-sua-influencia-no-golpe-em-marcha-no-brasil-8948.html

Anúncios