Rio de Janeiro vive tragédia social

O desemprego no rio de janeiro castiga os trabalhadores. De acordo com o IBGE, no primeiro trimestre de 2017, atingiu 2 milhões de desempregados no Estado. Registrou um aumento de 50%, o maior desde 2012. De acordo com a Pesquisa Mensal de Emprego são 500 mil trabalhadores sem carteira assinado no setor privado. E mais 300 mil trabalhadores na busca de um novo emprego nos últimos 30 dias. Segundo Pnad-2013, divulga que mais de meio milhão de pessoas estão abaixo da linha da miséria. A Secretaria Municipal de Assistência Social revela que mais de 14 mil pessoas estão em situação de rua no Rio. Esse número triplicou em três anos. Em 2013, eram cerca de 5.580 e no final de 2016 contabilizou 14.279 – um aumento de 156% neste período. Os golpistas da Rede Globo vendiam que o Rio passaria por uma `década de ouro`, em razão dos Mega Eventos, Copa do Mundo e Olimpíadas. Depois disso, o Rio se afundou em dívidas, e perdeu com a arrecadação por conta da queda do petróleo, e hoje vive uma tragédia social agravada pela crise econômica.

O Golpe fez reduzir os postos de trabalho no Rio

De acordo com o Centro de Estudos de Lojistas do Rio de Janeiro (CDL Rio), em 2016, quase 12 mil empresas fecharam as portas no Estado do Rio, se comparado com os dados de 2015 houve um aumento de 25,2%. Só no município do Rio de Janeiro foram 4,7 mil.

Aumenta as famílias inadimplentes no Estado do Rio de Janeiro

O número de famílias com dívidas ou com contas em atraso chegou a 23,7% em 2017, os dados foram divulgados pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Também aumentaram o número de famílias que não terão condições de pagar as contas, chega a 10%, em março, o percentual de famílias com dívidas em atraso atingiu 57,9%. A maior parte das dívidas, em torno de 76,6% é oriunda de cartão de crédito. Outras dívidas como: carnês registrou 15,1%, financiamento de carro 10,2%, crédito pessoal 9,7% e financiamento de imóveis 8,3%.

Aumenta o Custo de vida no Estado do Rio de Janeiro

Segundo o DIEESE, em julho 2017, o custo da cesta básica no Rio de Janeiro é de 425,62 reais. Quando se compara o custo da cesta e o salário mínimo líquido, ou seja, após o desconto referente à Previdência Social, verifica-se que o trabalhador remunerado pelo salário mínimo compromete 49,37 % de seu salário para adquirir os produtos da cesta básica.

A política de miserabilidade da população é o projeto desencadeado pelo Golpe de Estado, na medida que aprofundam a retirada de direitos, e reduz a presença do Estado na proteção e seguridade social, a desigualdade social agrava e aumenta a miséria do povo.