NOTA DE SOLIDARIEDADE AOS FAMILIARES, AMIGOS E COMPANHEIROS DA VEREADORA MARIELLE

O Jornal Voz Operária RJ vem a público se solidarizar com os familiares da vereadora Marielle Franco, seus amigos e os companheiros do PSOL . É com muito pesar e indignação que recebemos a notícia da execução brutal da companheira do PSOL, a vereadora Marielle Franco. Lutadora social, do movimento negro, militante pelos direitos humanos, moradora da Favela da Maré, Marielle foi eleita vereadora da cidade do Rio de Janeiro, na eleição de 2016, com o quinto maior número de votos do pleito. Mulher negra, moradora de favela, socióloga combatente, atualmente tinha sido nomeada para a Comissão da Câmara para investigar violações de Direitos Humanos no processo de Intervenção Militar no estado do Rio, bem como vinha denunciando intensivamente há alguns dias a costumeira violência da Polícia Militar nas favelas do Rio. No último caso, na Favela de Acari, denunciou ameaças aos moradores e a morte de dois jovens.

Com a Intervenção Militar intensificou-se a violência de Estado: desaparecimentos, interrogatórios nos quarteis e mortes. Os constantes conflitos de organizações criminosas, tais como: as milícias e o PCC, que nas últimas semanas vem expandindo o domínio no território sob a tutela dos militares golpistas. Sabemos que seu bárbaro assassinato é um recado para toda a esquerda e militância progressista e democrática em geral, não só carioca, mas de todo o Brasil. Sem dúvida alguma, esse ato bárbaro, que possui diversas características de crime político, está inserido na lógica de aprofundamento e recrudescimento do Estado de exceção que vem sendo construído desde o Golpe de 2016 que destituiu a presidente constitucionalmente eleita Dilma Roussef.

Não podemos deixar de denunciar a mídia, principalmente a Rede Globo, que quer induzir o debate para desenhar um cenário de “guerra no Rio”, direcionando que seu assassinato é obra de “maus policiais e da violência no Rio”, dessa forma, justificar a presença dos Militares. Seu assassinato foi político e deve haver investigações independentes sem a tutela dos militares e com o auxílio de órgãos internacionais de direitos humanos.

Não podemos nos deixar calar e intimidar com os golpistas que ameaçam as organizações populares e de esquerda! Recorrer ao silêncio intensificará a violência e os crimes de Estado! É hora de ocupar as ruas e favelas do Rio, a luta da companheira Marielle contra as arbitrariedades do Estado, o genocídio negro e as desigualdades do capitalismo é também a nossa luta!

ABAIXO O GENOCÍDIO DO POVO NEGRO!

ABAIXO A INTERVENÇÃO MILITAR!

Marielle Franco, PRESENTE !!! Hoje e Sempre !!

Anúncios