É LULA OU NADA!

“Seu nome é o único capaz de deixar bem claro os campos: contra Lula estão os patrões, entreguistas e golpistas, e com Lula estão os trabalhadores, patriotas e democratas.”

Rio de Janeiro, 7 de maio de 2018.

Faz um mês que foi enterrada a Constituição Federal de 1988, rasgada desde o impeachment sem crime da presidente Dilma Rousseff. Completa hoje um mês da prisão injusta do primeiro presidente operário deste país, perseguido pelas elites que sempre mandaram no Estado brasileiro. No dia 7 de abril de 2018, nós, trabalhadores, já golpeados pelos entreguistas que nos retiraram a CLT e estão ameaçando a nossa aposentadoria, sofremos uma investida feroz contra nossa principal liderança: Lula.

A prisão de Lula, feita sem uma única prova cabal, tem como único objetivo empurrar goela abaixo nos trabalhadores a agenda golpista. Não nos enganemos! Eles nunca estiveram preocupados em combater a corrupção. Isso é balela, pura mentira. Com a Lava Jato, os imperialistas conseguiram finalmente destruir a Petrobrás e tomar de assalto a nossa soberania nacional. Atacam Lula porque até nas pesquisas feitas por eles mesmos a verdade é clara: o povo quer Lula. Seu nome é o único capaz de deixar bem claro os campos: contra Lula estão os patrões, entreguistas e golpistas, e com Lula estão os trabalhadores, patriotas e democratas.

O regime está se fechando e um único movimento errado hoje nos levará a 20 anos de escuridão. Seria ingenuidadeacreditar que os golpistas, mesmo depois de tanto tempo e dinheiro investidos no golpe de 2016, deixariam acontecer eleições livres e democráticas dois anos depois para que o partido da presidente golpeada volte à presidência. Encaremos os fatos: o STF estava refém do Exército durante a votação do habeas corpus preventivo do presidente Lula. Se a o resultado tivesse sido outro e o Villas Boas colocasse em prática sua ameaça, lida em pleno horário nobre na TV aberta, pouco importa Alckmin ou Bolsonaro, afinal o novo presidente seria algum general para fazer valer com armas toda o programa antipovo e antinacional dos patrões, mesmo sem ter sequer um único voto. Exigir a liberdade de Lula é uma questão de sobrevivência das organizações dos trabalhadores, seus partidos, sindicatos, movimentos sociais e populares. É lutar em defesa da América Latina.

Por isso, companheiros, afirmamos que, meio ao Golpe de Estado, qualquer candidatura de alguém que não tenha a envergadura de um gigante do povo está sujeita a servir como um verniz democrático para a agenda perversa da burguesia e do imperialismo contra os trabalhadores. Não podemos nos digladiar em polêmicas sobre a farsa eleitoral que se aproxima. O golpe não pode se legitimar pelo voto popular! O único candidato do povo é LULA. Se não tiver Lula, É NULO.

A luta hoje deve se dar pelas bases. Devemos fortalecer os comitês locais de luta contra o golpe e nos empenhar pela unidade democrática contra os golpistas. Discursos e palavras não são suficientes: é preciso ação. O povo já deixou claro que não tem arrego. Ou os burocratas enfrentam os patrões de frente, ou serão atropelados pelos trabalhadores. Sejamos nós a faísca que incendiará a pradaria.

Em defesa da CLT e da aposentadoria: anular a reforma trabalhista e a lei da terceirização, barrar a reforma da previdência;

Pela retomada da soberania nacional brasileira: fim da Lava Jato e fora EUA da base de Alcântara e da Amazônia;

Pela liberdade de Lula e todos os presos políticos: abaixo o Golpe de Estado e a Intervenção Militar;

É LULA OU NADA!