Os fascistas estão com Alckmin. Ex-diretora da Globo é escolhida como vice.

Finalmente, com a farsa que está se montando para as eleições de 2018, pode levar a Rede Globo à Presidência da República. O fato decorrer da notícia divulgada nesse sábado, dia 04 de agosto, que confirma o nome da Senadora Ana Amélia do PP, como Vice na Chapa do Ex-Governador de São Paulo Geraldo Alckmin.

Ana Amélia foi diretora da RBS, filial da Rede Globo no Rio Grande do Sul, empresa que trabalhou desde 1977. Em 2010, renunciou ao cargo para disputar vaga no Senado. Até hoje a Senadora reserva grande relação com a família Marilho. Viúva de Octávio Omar Cardoso, ex-senador pelo PSD/RS. O PSD foi um dos herdeiros da Arena, partido de sustentação da Ditadura Militar 1964/1985).

No Senado, Ana Amélia defende um projeto neoliberal, votando a favor de isenções fiscais a grandes grupos ligados a multinacionais. Ataca desqualificadamente os governos populares da Venezuela, Bolívia e os países dos BRICS. Votou em toda agenda do governo golpista Temer, incluindo a reforma trabalhista e o congelamento do orçamento em saúde e educação por 20 anos.

A senadora financia e apoia os mercenários juvenis do MBL. Como representante da extrema-direita do Rio Grande do Sul, ela defendeu na época da Caravana do Presidente Lula, que os ruralistas utilizassem a violência contra a mobilização. Atitude que culminou em um atentado a tiros contra o ônibus que leva a equipe do Presidente Lula.

O eixo do discurso da Ana Amélia é a campanha anti-petista. No Senado a postura adotada por esta é insultar, agredir e atacar a oposição, aparentemente se comportando como uma senhora honesta e pura. É uma fiel defensora da Lava-Jato e propagandista da falsa campanha de combate a corrupção. Porém, a vice de Alckmin não se constrange em ter defendido assiduamente a candidatura de Aécio Neves em 2014, e nem mesmo contesta o PSDB, denunciado por diversas vezes em escândalos, tais como: o Propinoduto tucano, o Rodoanel, o Metrô, o Aeroporto Fantasma e os ladrões de merenda. Em SP mais de 60 CPIs foram barradas na Assembleia Legislativa graças a blindagem institucional e jurídica montada pelo PSDB. Mais de 100 CPIs contra incêndios em favelas barradas. A própria mídia golpista não pode deixar de ocultar o fato que a conferencia de escolha de Vice do PSDB era uma “reunião de indiciados”.

Essa escolha de vice pretende arrebanhar os votos do numeroso eleitorado de extrema-direita na região Sul, que até o momento tende a votar no ex-militar candidato do PSL.

A mídia, principalmente a Rede Globo, tenta pintar para o Brasil um cenário artificial que opõem o candidato do golpe Geraldo Alckmin contra o candidato do PSL, pintando este último de fascista perigoso contra o “democrático” tucano. O fato é que os golpistas, desde 2013, vem utilizando a base de extrema-direita como pilar de sustentação do programa anti-nacional, anti-democrático e anti-popular do golpe.

Desde já, os incendiadores de favelas do PSDB não podem ser pintados como democráticos ou “menos fascistas”. São as autoridades do estado de São Paulo responsáveis pela expansão do PCC pelo território nacional, causando inúmeras mortes no Rio de Janeiro e em todo o Brasil.

Caso ocorram eleições, fato que ainda não está definido, o discurso antiextrema-direita do PSDB esconde o projeto de genocídio da população negra nas periferias, de fome e miséria do neoliberalismo, a subordinação do Brasil como capacho dos EUA no senário internacional, pois Alckmin é o único que reúne as condições políticas para aplicar um programa reacionário e repressivo a partir de 2019.

Anúncios