No Governo do PSDB 290 crianças morriam de fome no Brasil por dia.

Em 2001, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), dados oficiais apontavam que a cada 5 minutos uma criança morria por doenças relacionadas a fome. O número corresponde aproximadamente 290 crianças mortas por dia. No final do governo do PSDB, em 2003, existiam cerca de 44 milhões de pessoas famintas no país.

Porém, esse quadro mudou quando o governo Lula aplicou um conjunto de políticas públicas e econômicas: geração de empregos, a formalização do trabalho, o salário mínimo aumentou 77,18% acima da inflação de 2002, passando de R$ 496 para R$ 880 em 2016, obras de infraestruturas como construção de cisternas e a transposição do Rio São Francisco, incentivos a agricultura familiar, programas de alimentação escolar, redução do preço da cesta básica, entre outros. O maior destaque fica para o programa de transferência de renda do Bolsa Família. A FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura), 2014, indica que o índice de prevalência de subalimentação no Brasil caiu para 3%.

Em 2014, depois de reduzir em 82,1% o número pessoas subalimentadas, o Brasil finalmente deixou o vergonhoso mapa da fome da ONU, o que significa ter menos de 5% da população sem se alimentar suficiente. De acordo com o Banco Mundial, cerca de 28,6 milhões de brasileiros saíram da pobreza entre 2004 e 2014. Esses dados alcançados graças as políticas adotadas pelo PT, fez do Brasil referência em políticas públicas de combate à fome.

É verdade que a crise econômica nacional e internacionais fez retornar o fantasma da fome e da miséria ao país, agora, com o golpe de Estado diversas medidas nefastas foram adotadas, tais como: como a PEC 55 que congelou os investimentos por 20 anos, a situação de 14 milhões desempregados, o corte de 1,1 milhão de benefícios do Bolsa Família, o cortes significativos nos programas sociais, está atingido as populações mais pobres, que são as mais prejudicadas nesse golpe.

O golpe em apenas 2 anos fez dobrar o número de pessoas em condição de miséria extrema, segundo dados do IBGE. Quatros anos atrás, 7 milhões de brasileiros não tinham o que comer. Hoje, mais de 13 milhões voltaram a passam fome no Brasil.

A taxa de mortalidade infantil registrou aumento de 4,8% em 2016, em relação ao ano anterior. Foram 13,3 mortes para cada mil nascidos vivos em 2015, subindo para 14 em 2016. É a primeira vez desde 1990 que o índice apresenta crescimento.

Geraldo Alckmin (PSDB/SP) não só irá dar continuidade a essa política de fome iniciada por Temer, mas irá aprofundar-la radicalmente. O golpista Alckmin já deu o recado que irá extinguir o Ministério do Trabalho, ou seja, irá intensificar a política de desvalorização do Salário Minimo e retirada de direitos.

Fontes:

https://nacoesunidas.org/relatorio-da-onu-pede-continuidade-de-politicas-de-combate-a-fome-no-brasil/

https://noticias.r7.com/brasil/camera-record-por-que-mais-de-13-milhoes-passam-fome-no-brasil-20022018

https://www.dn.pt/mundo/interior/crise-economica-pode-voltar-a-colocar-brasil-no-mapa-da-fome—fao-9104110.html

https://br.sputniknews.com/brasil/2018071711741502-mapa-da-fome-onu-desigualdade/

https://www.pragmatismopolitico.com.br/2018/03/retorno-do-brasil-ao-mapa-da-fome.html

https://brasil.elpais.com/brasil/2017/09/05/internacional/1504624883_402058.html

https://www1.folha.uol.com.br/colunas/claudiacollucci/2018/07/apos-aumento-de-mortalidade-infantil-pais-pode-voltar-para-mapa-da-fome.shtml

https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2010/12/101227_eralula_gastos

https://www.gazetadopovo.com.br/economia/em-dolares-salario-minimo-e-o-maior-desde-1953-aiat7v2re5hxc2sw4064kloi6

Anúncios