O golpe avança rumo à uma ditadura militar

No Brasil, está em curso um golpe militar. É a continuidade do golpe “parlamentar” de 2016. Diferente de 1964, dessa vez, os generais são mais ardilosos e operam dentro da democracia para impor goela à baixo do povo brasileiro um programa neoliberal, entreguista e autoritário. Está enganado que acredita que o ponto mais baixo desse golpe é ter colocado um fantoche dos EUA, fascista e boçal como presidente. O golpe avança com velocidade espantosa e irá se desenvolver naturalmente para uma ditadura aberta se não encontra resistência popular à altura dos ataques.

Esse golpe militar não iniciou-se agora. O Alto Comando das Forças Armadas vem realizando um “processo de aproximações sucessivas” (confessada pelo general Mourão, vice na chapa do PSL) para obter o controle das instituições. Começaram três anos atrás com a Operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) no Espirito Santo, posteriormente fizeram manobra militar com os Estados Unidos na Amazônia, invadiram Brasília na repressão contra manifestações populares, ocuparam o Rio de Janeiro com a intervenção federal, ameaçaram o STF na véspera do julgamento do Lula e implementaram o GLO em todo o país com o pretexto da greve dos caminhoneiros.

Os militares estão tutelando as instituições. De forma inédita, o Presidente do STF, Ministro Toffoli, “escolheu” um general como “conselheiro”, a nomeação de 4 generais para assumir Ministérios e não é por acaso a presença do General Etchegoyen nas atividades do TSE. A tutela militar sob a sociedade não é de hoje. Em 1986, já era denunciada pelo camarada Luiz Carlos Prestes. Essa tutela tem origem na Ditadura e continuou mesmo com a Constituinte de 1988 que estabeleceu uma redemocratização incompleta, onde o Brasil não conseguiu punir os crimes cometidos pelo Estado durante a Ditadura e limitar os poderes políticos das Forças Armadas.

Não ocorreram eleições livres, o que existiu foi um jogo de cartas marcadas para legitimar nas urnas o golpe de Estado de 2016. Já está engatilhada a proposta de Reforma Política, onde impõem o voto distrital e o colégio eleitoral, reduzindo o poder do voto popular, o peso do voto progressista do nordeste e dando maior poder para quem controla os territórios: narcotráfico, milícias e igrejas neopentencostais. Também estão engatilhadas as “dez medidas de combate a corrupção”, que suprime direitos civis e políticos da população, deixando os poderes eleitos tutelados pelo juízes e generais. Passando a campanha, os golpistas aos pouco vão retomando a proposta para realizar de uma nova “Constituinte de notáveis”.

Nesse golpe utilizaram-se de instrumentos da guerra híbrida para conseguir alcançar seus objetivos. Primeiro, a partir de 2015, com a confirmação da vitória de Dilma, a oposição iniciou uma guerra para sabotagem do governo, a desestabilização da economia com a operação golpista Lava-Jato que fechou empresas, gerou desemprego e prejuízos na economia supostamente para “combater” a corrupção. Sendo a Lava-Jato o sustentáculo para o maior assalto as riquezas do povo Brasileiro, através do plano de privatizações de Paulo Guedes, guru do governante fascista.

Depois tentam neutralizar na memória do povo o significado dos 12 anos dos governos Petistas, encobrindo os grandes avanços sociais e econômicos gerados por Lula e Dilma na névoa da falaciosas luta contra a corrupção. De maneira cretina os golpistas acusam o Partido dos Trabalhadores de não ter avançado nas “mudanças”, porém ocultam que 12 anos é um curto período histórico para avançar no Estado de Bem-estar social com soberania nacional e desmantelar a estrutura escravagista e neocolonial, após a classe dominante governar durante 518 esmagando o povo brasileiro.

Iniciaram uma “ciberguerra”, se divulgam notícias falsas com o objetivo de desviar os olhares da opinião pública para debates infundados e esconder os programas políticos em disputa. O The Guardian já denunciou as relações obscuras entre o ex-chefe da campanha de Donald Trump, Steve Bannon, com os marqueteiros de Jair Bolsonaro. A Folha de São Paulo, BBC e The Guardian divulgam denúncias que empresários ligados a campanha do fascista Bolsonaro montaram um caixa dois e promoveram diversos outros crimes eleitorais para impulsionar notícias falsas afim de prejudicar a candidatura de Haddad.

Confessaram que fizeram Caixa 2 e que empresas de publicidade (tal como a Cambridge Analytica que trabalharam na campanha eleitoral de Trump), atuaram para ampliarem o alcance de páginas pro-Bolsonaro e redirecionar fake news para eleitores via facebook, whatsapp e google. Uma avalanche de rôbos e perfis fakes reproduzem matérias do candidato fascista Bolsonaro. Muitas das páginas pró-bolsonaro foram banidas pelas próprias plataformas sociais. Não é apenas isso, há indícios fortes que a CIA, FBI, MOSSAD, Serviço de Inteligência do Exército e Policia Federal trabalham para monitorar coordenadores de campanha do Haddad.

Vemos o silêncio cúmplice do TSE e STF diante de tais acusações. Esses mostram que tem lado, pois quando podem atuam para prejudicar o PT: aceleraram os prazos para caçar o registro da candidatura de Lula, censuraram o PT de usar “Eu sou Lula” no programa eleitoral, apreenderam materiais de campanha e invadiram universidades violando o direito de expressão. Muito provavelmente, o debate sobre as fake news só irá voltar à pauta quando for de interesse dos golpistas, fato que deve ocorrer após as eleições para justificar a censura no país usando o álibi das notícias falsas. Foi através de fake News que Lula está preso. O Jornal O Globo mentiu sobre o Triplex no Guarujá, também mentiram dizendo que os filhos de Lula enriqueceram. Agora, mentem outra vez, querem culpar o PT pela crise econômica, mesmo sendo os golpistas os grandes responsáveis pela crise.

O resultado das urnas foi alterados quando, contrariando a Constituição e todas as resoluções da ONU, prenderam Lula sem crime e sem prova. Constantemente o TSE e STF violam as leis eleitorais e os direitos políticos, proibiram a entrevista do presidente Lula, ao mesmo tempo que permitem longas entrevistas do candidato fascista na Record, Band e outras televisões ligadas as neopentecostais, sem dar o mesmo espaço para Haddad responder as acusações de seu adversário. Cancelaram o título de eleitor de 3,4 milhões de brasileiros, principalmente do nordeste.

Empresários coagiram funcionários em todo o país, igrejas neopentencostais utilizaram a máquina para fazer propaganda eleitoral e milicias apoiaram e proibiram campanha do Haddad nos bairros controladas pelas mesmas. Por outro lado, o TSE apreendeu milhares de jornais de sindicatos e da imprensa popular. Ações policiais e de TREs em diversas cidades atacaram universidades, recolhendo faixas, coagindo e intimidando professores e estudantes.

Para consagrar todo esse processo fraudulento, o Juiz da Lava-Jato de Curitiba, que condenou Lula e atuou abertamente para caçar o registro do presidente, hoje é pago pelo adversário de Lula com um Ministério e com a promessa de uma vaga no STF. Esse mesmo juiz 6 dias antes do Primeiro Turno lançou uma delação, que havia sido negada pelo MPF por falta de provas, com o objetivo de prejudicar Haddad e o PT.

Mesmo com toda essa manipulação, trapaça e repressão, os golpistas tiveram apenas 37% de votos em urnas (votos totais). Por isso, não é verdade que o povo brasileiro escolheu o fascista ou que essa Ditadura foi referendada pela vontade da maioria. A vontade popular não foi respeitada quando deram o golpe contra Dilma e quando impediram Lula de ser candidato.

Os verdadeiros democratas não reconhecem um governo neoliberal-fascista “eleito” pela fraude. Desde já devemos organizar a resistência para colocar abaixo esse governo neoliberal-fascista que declara guerra os trabalhadores e o Brasil. Promover imediatamente uma ampla campanha nacional e internacional exigindo a liberdade imediata do Presidente Lula. Debater e articular uma mobilização em torno de uma nova assembleia nacional constituinte popular e soberana, pois os golpistas rasgaram a constituição e é preciso resgatar a garantia dos direitos sociais, políticos e trabalhistas usurpados pelos golpistas.

LULA LIVRE E PRESIDENTE!

CONSTITUINTE POPULAR E SOBERANA!

ABAIXO O GOLPE!

DERRUBAR O GOVERNO NEOLIBERAL-FASCISTA!

Anúncios