Carta marcada: EUA impõem nota ao Grupo de Lima

Hoje, dia 22 de fevereiro, o Chanceler de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, denunciou diante ao mundo, o vazamento da declaração do “Grupo de Lima”. O governo dos Estados Unidos impões uma declaração que o Grupo emitirá na segunda-feira, logo após sua reunião.

Na declaração, Washington fala de mortes e de violência, antes mesmo de qualquer coisa ter ocorrido. Há um precedente desse tipo de informação, em 2002, antes do golpe de Estado contra Chávez, as emissoras da oposição denunciavam mortes que não tinham ocorrido e culpavam o governo, horas depois, ocorreram atos violentos. Posteriormente, ficou provado que snipers da oposição tinham disparado contra a população para culpar o governo.

O vazamento da declaração comprova duas questões: primeiro que a intenção real dos Estados Unidos que é criar “falsos positivos” para logo acusar o governo da Venezuela, e justificar uma invasão. E segundo, mostra que os governos do “Grupo de Lima” não tem autonomia e são satélites da Casa Branca.

No parágrafo 5, o documento “condena a ação deliberada do governo venezuelano, caso não consiga operar um canal humanitário amanhã”, acrescenta o ministro das Relações Exteriores de Cuba.

Rodríguez Parrilla apresentou outro fragmento da declaração de Washington: “O governo da Venezuela está colocando em risco a vida e a integridade dos venezuelanos; apela à reconstrução do Estado, a uma conferência internacional com o FMI e o Banco Mundial, e elimina a menção de uma transição pacífica sem o uso da força. “

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s