HELENO ATACA CATÓLICOS PARA FORMAR BASE DE APOIO NOS EVANGÉLICOS

O general maçom, Augusto Heleno, voltou a atacar os católicos brasileiros. Ao comentar a realização do Sínodo da Igreja Católica, o general Heleno, afirmou que: “ONGs estrangeiras e chefes de Estado de outros países não devem dar ‘palpite’ na Amazônia brasileira”.

Heleno quer censurar católicos com o falso pretexto de defender a soberania. Heleno, o “homem de nível” de Ciro Gomes, como chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), está à frente da entrega da Embraer à Boieng – empresa que teve a operação de seus aviões suspensa em diversos países por causa de acidentes. Não existe ataque maior contra a soberania nacional do que impedir que o Brasil tenha a possibilidade de defender-se.

Os militares são a coluna vertebral do plano de transformar o Brasil em uma colônia exportadora de recursos minerais e de trabalho escravo para o império estadunidense. Por exemplo, na concepção de outro general maçom, o vice-presidente Mourão, “não existe civilização no hemisfério sul da América, e o Brasil necessita integrar-se ao plano de desenvolvimento dos EUA”.

Para sustentar tal plano é necessário apoio social. Diferentemente de 1964, hoje as Forças Armada não podem garantir um “milagre econômico”. Por conta da crise econômica internacional, o imperialismo é obrigado a ser cada vez mais predatório contra nações em desenvolvimento, o que impede qualquer “milagre econômico”.

Sem respostas econômicas, Heleno e seus aliados neopentecostais promovem a propaganda ideológica, diminuem o nível cultural e da educação. Entretanto, mesmo com a disseminação dessa ideologia venal, os militares não conseguem impor um “consenso público”, pois a realidade e os ataques brutais contra a população põem naturalmente o povo em um polo oposto aos golpistas do Regime Militar.

Mesmo com toda mídia burguesa promovendo uma operação de manipulação, esse “apoio” não é obtido e sua pequena base reduz diariamente. Por essa razão, aos militares sabem que é mais efetivo atacar a religiosidade do povo. Assim, tentam converter gradualmente o Brasil de nação majoritariamente católica para evangélica neopentecostal.

Para somar o Brasil às riquezas do império norte-americano é preciso destruir o Estado nacional. Portanto, não há outra maneira de destruir um Estado nação sem antes destruir as bases constitutivas de um povo e, no Brasil a religião é um importante fator da nação.

Diferentemente de outros países, apesar de existirem alguns movimentos independencistas no Brasil, como os separatistas do sul, São Paulo, uma faixa de fronteira com o Paraguai e no norte do país, nesse momento é improvável a utilização de conflitos regionais para balcanizar o Brasil. Por isso, a balcanização vem por meio do estabelecimento de uma guerra religiosa.

A igreja evangélica neopentecostal não tem identidade nacional, porque tem referencia direta no Estado Sionista de Israel e nos EUA. O sionismo evangélico tem controle sobre as igrejas de maior porte, em especial a Universal do Reino de Deus, dona da Record e SBT.

A destruição do emprego, da renda e da cultura nacional que os militares promovem também favorece a proliferação dos evangélicos neopentecostais. Não são poucos os estudos que relacionam diretamente o crescimento da pobreza e da desigualdade social com o avanço das dessas igrejas neopentecostais. O neoliberalismo destrói o emprego, a renda e a esperança.O principal fator de destruição das famílias está relacionado ao fator econômico. Com a destruição da família, entram as igrejas neopentecostais na conversão de novos “fieis”.

Parte da crise atual do Rio de Janeiro se explica pelo avanço dos evangélicos neopentecostais no estado. O Rio de Janeiro foi onde essas igrejas mais penetraram contra o catolicismo, contribuindo com a “alienação” e desorganização do povo fluminense.

Nesse projeto de poder dos sionistas evangélicos, o General Heleno, com seu aparelho policial repressivo do GSI, cumpre papel fundamental, promovendo tanto a perseguição e espionagem contra os católicos, como também fomentando a divisão e a guerra religiosa entre evangélicos e católicos. Esse trabalho sujo de atacar os católicos é realizado por Heleno com grande dedicação, já que por ser maçom, ele é ideologicamente convencido que a Igreja Católica deve ser destruída. A maçonaria tem uma longa história de perseguição contra os católicos em todo o mundo. Por exemplo, em 1872, durante o Brasil Império, o maçom Visconde de Rio Branco, que presidia o gabinete de Governo, inflou a multidão a atacar o Colégio S. Francisco Xavier dos jesuítas, incendiar o jornal católico “União” e expulsar juízes e ministros católicos. Na história mais recente, os maçons foram colabores ativos da Ditadura Militar, contribuindo com a perseguição de inimigos do regime, tais como militantes comunistas, padres e jesuítas envolvidos em atividades contra a ditadura.

Os golpistas precisam dividir e controlar a guerra religiosa no país com objetivo de controlar uma futura oposição, oriundas das bases da teologia da libertação, porque a Igreja Católica passa por um momento de mudanças e as reformas progressistas se fazem necessárias para uma Igreja mais próxima dos pobres.

Anúncios

Um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s