Massacre no Haiti foi comandado pelo General Heleno

Em junho de 2004, o General Augusto Heleno, atual Ministro do Gabinete de Segurança Institucional, assumiu o comando da missão das Nações Unidas contra o Haiti. Durante o comando do General Heleno, em 6 de julho de 2005, tropas da da brasileiras realizaram uma operação desproporcional onde foram gastas 22 mil balas em 7 horas. Resultou no assassinato de 63 haitianos e mais 30 feridos, incluindo mulheres e crianças. Heleno declarou a ação como um sucesso.

O governo brasileiro [na época do presidente Lula] recebeu uma solicitação da ONU para substituir o comando das tropas no Haiti, o que foi feito dias depois, com a entrada do general Urano da Teixeira da Matta Bacellar no comando.

O general Urano Teixeira da Mata Bacelar, se negava em obedeceer ordens dos EUA para aplicar operações ostensivas contra a população do Haiti. Logo o general brasileiro foi encontrado morto em um hotel de Porto Príncipe. Documentos do Wikileaks revelaram que o assassinado foi realizado por um grupo de rebeldes armado pelo governo americano e liderado por Guy Philippe, ex-miltar que atuou no golpe do presidente do Haiti, Jean-Bertrand Aristide.

A operação comandada por Heleno sofreu denúncia na Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH). Na denúncia as tropas de invasão ao Haiti foram acusadas de permitir a ocorrência de abusos, favorecer a impunidade e contribuir para a onda de violência no país caribenho.

Heleno, despedido por Lula, tornou-se um violento antipetista. Começou a rodar os quarteis em todo país promovendo palestras contra as políticas do governo Lula e Dilma.

Na intervenção militar no Rio de Janeiro, defendeu que os comandantes de operações tivesse autorização para matar e sem ser responsabilizado. Após a eleição, expressou apoio a estratégia genocida de “combate ao crime” defendida pelo governador fluminense, Wilson Witzel, que envolve a mobilização de atiradores de elite, helicópteros e grupos paramilitares. Heleno defende que o modelo de Witzel, pode servir de modelo para o resto do país.

O processo aberto no Tribunal Internacional pelo assassinato dos haitianos ainda permanece paralisado e sem respostas.

Os fascistas das Forças Armadas são hoje apresentados como sensatos, diante das ações do governo Bolsonaro, porém isso não passa de um engodo.

Anúncios

Um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s