DADOS SOBRE O FRACASSADO GOLPE DE ESTADO NA VENEZUELA

Nas primeiras horas da manhã de Terça-feira 30 de abril, um pequeno grupo de militares se dirigiram à Altamira, pela estrada Francisco Fajardo de Caracas, junto com ex-deputado Juan Guaidó e Leopoldo Lopez (que fugiu da prisão domiciliar com ajuda de traidores da FANB) de onde eles estimularam os seus partidários para tomarem as ruas de Caracas e iniciarem uma nova tentativa de golpe na Venezuela.

Como pano de fundo para esta nova tentativa de golpe, se encontra a retirada da Venezuela da Organização dos Estados Americanos (OEA), a consolidação das alianças geopolíticas com a Rússia, China, Irã e o fracasso incontestável do “fator” Guaidó. Em uma nova tentativa desesperada para projetar que “cumpre” suas “funções presidenciais” e que tem o controle sobre FANB, causou este recurso de última hora para tentar mudar a correlação de forças, chamando o golpe através de redes sociais, com o objetivo de precipitar o caos, a violência e a angústia coletiva do povo venezuelano.

Vejamos os dados sobre a fracassada tentativa de golpe:

1- Ravell dá o tiro inicial (05:13 da manhã). O empresário e fugitivo Alberto Federico Ravell “diretor de comunicação presidencial”, nas primeiras horas da manhã deu o disparo inicial do golpe de Estado. Ele anunciou que Leopoldo López e Juan Guaidó, junto com um grupo de soldados, mantiveram “o controle da base aérea de La Carlota”, no que seria “a fase definitiva do golpe de Estado em curso”, que eles chamaram de “cesse da usurpação”.

2 – Juan Guaidó diz estar em La Carlota: mentira (06:00 da manhã) Rodeado por alguns militares golpistas, Juan Guaidó indicou a manutenção da posse efetiva da base aérea de La Carlota, enquanto convocava manifestações para apoiar uma nova tentativa de golpe. Minutos após essa declaração, foi confirmado que a base área em questão estava salvaguardada pela FANB e os golpistas estavam distantes da base em um centro próximos à um centro de distribuição.

3 – Diosdado Cabello e o alto comando da FANB esclarecem (06:47 da manhã) Diosdado Cabello [Presidente da Assembleia Nacional Constituinte] e o ministro da Defesa, Vladimir Padrino López, afirmaram que as bases militares do país estão em normalidade enquanto a narrativa do golpe diz e projeta em situação de insurreição generalizada. O foco da manobra em Altamira busca prefigurar-se, novamente, como o epicentro de um novo ciclo de violência enquanto se aguarda o “efeito midiático” para mobilizar o apoio frontal dos Estados Unidos para sustentar a operação.

4 – Avisos do governo nacional aos conspiradores (07:29 AM.). Em um novo comunicado através da Imprensa governamental, o presidente da Assembléia Nacional Constituinte informa que “haverá uso progressivo da força”. “Eles foram notificados sobre o que vamos fazer, eles verão o que fazer, muitos deles retornaram. As loucuras não têm lugar neste país, nós vamos derrotá-los e eles serão tratados como golpistas, que assumem a responsabilidade deles “, diz Diosdado Cabello. Da mesma forma, o chavismo chamar o povo venezuelano para tomar as ruas e o Palácio de Miraflores em defesa da Constituição venezuelana.

5 – Governo da colômbia reafirma seu apoio ao golpe fracassado (08h00 AM). Em sua conta no Twitter, o presidente colombiano acompanha o chamado do golpe, enquanto seu ministro das Relações Exteriores convoca uma reunião de emergência do Grupo Lima. Ambos os movimentos não apenas reafirmam o apoio do Estado colombiano a uma intervenção militar contra a Venezuela, mas também avançam na criação de condições para um ponto de inflexão internacional que prefigura condições favoráveis à criação de uma coalizão de países latinos para agredir a Venezuela.

6 – Desmentem que o Major General Ornelas Ferreira tenha se juntado ao golpe [08:12 da manhã]. A jornalista da rede internacional de televisão TeleSUR relatou em sua conta na rede social Twitter que era falsa a notícia da traição do Major General Ornelas Ferreira, Chefe do Estado-Maior da FANB. O jornalista disse: “Acabei de falar com o major-general Ornelas, que afirmou que é uma campanha mentirosa. Estou no CEO com o almirante-chefe Ceballos. Isso é totalmente falso. Estamos ao lado do comandante chefe Nicolás Maduro e nos mantemos fiéis ao nosso país ”, disse o general.

7 – As forças da ordem pública avançam para controlar a situação no Distribuidor de Altamira (09:30 da manhã). Ao relatarem detonações próximo à Distribuidora de Altamira, depois que Juan Guaidó chamou “manifestações” para servir como escudos humanos para os desertores militares que estão nas proximidades da base aérea de La Carlota. Rapidamente a operação perdeu o fator surpresa, abrindo caminho para a caotização da agenda informativa, enquanto a oposição tentava gerar as condições de violência.

8 – Primeiro Tenente do Exército narra como oficiais golpistas tentaram enganá-los (10h30). O primeiro tenente do exército, Jairo Betermini de dentro da nase de La Carlota, conta a jornalista Madelein Garcia da Telesur, o que poderia ser um dos principais elementos metodológicos do processo de golpe: mobilização de unidades militares convocadas por superiores com comando de tropas, sinalizando um falso objetivo, levando-os aos pontos de concentração previamente acordados pela oposição e posteriormente revelados os planos reais para o golpe de Estado.

9 – “Um golpe de magnitude medíocre”: fala o ministro da defesa (11h50) O ministro do Poder Popular para a Defesa, Vladimir Padrino López, disse à imprensa que a tentativa de golpe, descrita por ele como “medíocre”, fracassou devido à falta de apoio que o antichavismo recebe das Forças Armadas. Ele assegurou que muitos dos militares, “pelo menos 80%”, que estavam no distribuidor de Altamira, ao lado da base militar de La Carlota, foram enganados e se retiraram voluntariamente do local. Ele culpou a liderança da oposição por “qualquer derramamento de sangue” que poderia ocorrer. No contato televisivo, o general José Adelino Ornelas Ferreira, chefe do Estado-Maior Conjunto, foi visto ao lado do ministro, o que contradiz completamente os rumores de que ele havia se revoltado em favor da facção golpista.

10 – Golpistas são finalmente derrotados (13:10 ) Após o fracasso da operação de ocupar a base de La Carlota, em Caracas, o pequeno grupo de soldados que acompanharam Juan Guaidó e Leopoldo López a partir das primeiras horas da manhã, movimentou-se para a Plaza Altamira, no bairro de classe média alta histórico pelas manifestações da oposição desde 2002 para agitar e anunciar o início de uma marcha para o oeste de Caracas, centro do Governo Nacional.

Na manifestação foi visto um veículo civil com não menos de 10 oficiais militares carregando rifles sendo aplaudidos pela extrema-direita. O grupo de traidores militar foi consideravelmente reduzido. A manifestação foi contida pela Guarda Nacional, usando apenas gás lacrimogêneo. Os golpistas dispersaram desordenados.

O que se revelou de toda essa operação golpista, foi uma combinação de manobras híbridas aplicada em outros momentos na guerra contra a Venezuela: a) utilização de pequenos e fraco grupos armado, concentração em um ponto de manifestação opositora, tentativa de promover um confronto entre civis e manipulação na mídia para comover a opinião publica nacional e internacional.

11 – Os donos do circo falam [15:40] Funcionários da administração Donald Trump falaram sobre o golpe fracassado em uma tentativa frustrada de reanimá-lo. Em um breve tweet, Donald Trump disse: “Estou monitorando a situação na Venezuela de perto. América está com o povo da Venezuela e sua liberdade”, deixando seu Conselheiro Nacional de Segurança, John Bolton, como porta-voz da Casa Branca, que dessa vez foi mais estúpido do que de costume.

Bolton novamente emitiu ameaças contra altos funcionários do Estado venezuelano. “Seu tempo acabou. Esta é sua última chance. Aceite a anistia do presidente interino (Juan) Guaido, proteja a Constituição e elimine Maduro, e vamos eliminá-los da nossa lista de sanções. Fique com Maduro e afundem com o navio”.

Por sua vez, encarregado de Trump para a guerra contra a Venezuela, o mafioso terrorista Elliot Abrams, também se pronunciou fingindo ser mal informado sobre a situação “A situação no terreno no país é confuso e receberam informações conflitantes.” Abrams, apelou em seu discurso à antiga ameaça a Rússia: “Os russos têm desempenhado um papel que ajuda muito pouco. Ajudaria se eles pedissem a não-violência “. Ele confessou ter conversado com Juan Guaidó, que ele descreveu como “otimista e determinado”, enquanto insistia em fingir que estava “confuso”. Para terminar, Abrams disse que “houve negociações interessantes com os venezuelanos dentro e fora do regime sobre a restauração da Constituição. Eles negociaram muito tempo, mas parece que hoje eles não darão esse passo”. Assim, estava sentenciada o fracasso da operação.

12 – Embaixadas do Chile e do Brasil abrigam os terroristas (16:40) Através de sua conta no Twitter, o ministro das Relações Exteriores do Chile, Roberto Ampuero, confirmou que Lilian Tintori e Leopoldo López estão na embaixada chilena em Caracas, como “convidados”. A fuga de Lopez está diretamente relacionado à falha na operação e o apoio de mais deserções nas Forças Armadas. A direita golpista confirma o estreito envolvimento do governo direitista de Sebastián Piñera e dos governos do chamado “Grupo Lima”.

Da mesma forma, 25 soldados fugiram para a embaixada brasileira na Venezuela, segundo o jornal Folha de São Paulo, para garantir-lhes asilo depois promoverem atentados terroristas.

13 – Mudança repentina da localização de Leopoldo: embaixada da Espanha (20:00). Depois de confirmar que o fugitivo da justiça venezuelana estava na embaixada chilena em Caracas, o chanceler chileno recuou e informou que López e sua família estão na embaixada espanhola. Esta mudança repentina de localização, expressa a improvisação dos atores do golpe fracassado, bem como seus patrocinadores no exterior através do Grupo Lima. Da mesma forma, isso pode indicar uma certa urgência para inverter a posição espanhola durante as primeiras horas da manhã, quando o porta-voz do governo espanhol apoiou o show macabro estrelado por Lopez e Guaidó.

Espanha tem sido um jogador-chave na construção do consenso anti-venezuelana como uma posição comum da União Europeia, no entanto, os funcionários da Casa Branca exigindo maior pressão sobre o governo de Sánchez de fomentar uma escala de tensões do ponto de vista diplomático e financeiro a transferência de Lopez para a embaixada do país ibérico poderia ir nessa direção.

14 – O golpe mais mediocre da história. Presidente Maduro faz pronunciamento à nação [21h].

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s