EUA violaram 77 vezes espaço aéreo da Venezuela em 2019

O Comando Operacional Estratégico de Forças Armadas Nacional Bolivariana (CEOFANB) detectou, através de sistemas integrados de defesa aeroespacial, um modelo de aeronave de inteligibilidade e exploração do modelo EP-3E, dois Estados Unidos em território venezuelano, na sexta-feira, 19 de julho .

O CEOFANB procede a interceptá-lo com o uso de aeronaves Sukhoi Su-30 para aplicar os procedimentos internacionais estabelecidos pela Organização da Aviação Civil Internacional (OACI).

Inicialmente, o EP-3E dos EUA não cumpria os procedimentos acima mencionados, por isso foi forçado a abandonar o espaço aéreo venezuelano.

Até agora, no ano de 2019, 76 aviões dos Estados Unidos violaram o espaço aéreo venezuelano, sendo esta última a ação mais provocativa e ofensiva, nas palavras do CEOFANB.

Essas operações se intensificaram desde que o governo dos Estados Unidos ameaçou a “opção militar” contra a Venezuela, em janeiro deste ano, quando Juan Guaidó proclamou-se presidente com a ajuda da CIA.

Por outro lado, os Estados Unidos, através do Comando Sul, atacou a Rússia, afirmam que a Rússia ajudou “o regime ilegítimo de Maduro” em seu fortalecimento militar, e publica fotos e vídeos da expulsão de uma aeronave EP-3E americana.

No entanto, como no recente caso iraniano, o Comando Sul alega ter voado sobre águas internacionais. Esta declaração é uma falácia e é uma provocação militar dos EUA.

Além disso, para envolver a Federação Russa, que tem acordos bilaterais com a Venezuela em matéria de cooperação militar, o evento consiste em agregar geopolítica ao controle de danos manifestado pelo Comando Sul, que sempre manteve um status de superioridade na região.

O representante venezuelano na Organização das Nações Unidas (ONU), Samuel Moncada, denunciou a provocação dos Estados Unidos afirmando: “Os traficantes da guerra em Washington estão desesperados para fazer um incidente que justifique uma agressão militar contra a Venezuela”.

Moncada anexou à sua mensagem uma nota do Comando Operacional Estratégico das Forças Armadas Nacionais Bolivarianas (Ceofanb), que condena a continuação das “agressões imperiais”.

O ministro da Comunicação da Venezuela, Jorge Rodríguez, mostrou evidências da incursão ilegal do avião espião americano, além de outras 78 incursões que fez em 2019. O Ministro levantou a suspeita que o avião norte-americano interceptado, no último dia 19 de julho, estaria realizando operações de ataque eletromagnético. Dois dias depois do ocorrido, parte da Venezuela foi atingida por um novo apagão.

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s