Mídia ocidental improvisa operação de false flag contra o Irã

Na madrugada desta quarta-feira, um avião ucraniano, modelo Boeing 737 800, caiu em solo iraniano. O voo que partia de Teerã, Irã, com destino a Kiev, Ucrânia, decolou às 6:12 no horário local (00:12 no horário de Brasília), deixou 176 mortos, sendo 82 iranianos.

Não tardou para que informações desencontradas fossem utilizadas para forjar a opinião pública contra o país que teve sua integridade violada na última sexta (3) por um ataque terrorista que assassinou o comandante da Guarda Revolucionária do Irã, Qasem Soleimani.

Contradições na postura ucraniana

Logo depois do acidente, a Embaixada da Ucrânia no Irã prestou condolência aos vitimados do acidente e afirmou que se tratava de uma falha no motor. O site do Ministério de Relações Exteriores da Ucrânia afirmnou que

“De acordo com as informações preliminares, o avião caiu como resultado de uma falha no motor por razões técnicas. Neste momento, a versão de um ataque terrorista está descartada”

Pouco tempo depois a embaixada voltou atrás e soltou uma nota afirmando que qualquer informação anterior não era oficial. Nesse segundo pronunciamento, a falha no motor foi omitida.

É de conhecimento público é que o modelo Boeing 737-800 tem uma série de relatos de falhas, e mais um acidente provocaria uma perda significativa nos ativos da empresa estadunidense, uma das maiores no ramo de aviação e de defesa do país.

Uma operação de false flag improvisada

Na manhã de hoje (8) já foi possível ver dezenas de matérias com informações confusas e desencontradas, com enunciados que associam a queda do avião à retaliação iraniana, que lançou foquetes contra bases no Iraque ocupadas pelas forças armadas dos EUA algumas horas antes. Trata-se de uma operação militar-midiática de false flag (bandeira falsa), típica da 4GW (Fourth Generation War, Guerras de Quarta Geração), que compreende a mídia enquanto tropa regular das forças armadas.

A retaliação iraniana aconteceu às 01:20 (horário local, 20:20 em Brasília), e o acidente com o Boeing 737-800 ucraniano aconteceu minutos após seu lançamento, as 06:12 (horário local, 01:12 em Brasília). Ou seja, o acidente quase 10 horas depois do bombardeio de retaliação do Irã.

Não tardou para que a caixa preta do Boeing 737-800 da Ucrânia fosse encontrada por agentes iranianos que, temendo uma investigação parcial, cogitam não devolver nem à Boeing, nem à Ucrânia. Posição acertada, uma vez que o país se encontra em Estado de Guerra e as investigações feitas por aliados e funcionários dos EUA podem acarretar em provas forjadas que servirão de justificativa não só para as agressões dos EUA contra o Irã, mas também para manter aquelas perpetuadas contra os outros países da região.

Resumo

São, portanto, duas suspeitas principais. A primeira, sustentada pelo imperialismo e seus veículos de mídia, de que o acidente seria fruto de uma sabotagem ou um ato de terrorismo cometido pelo Irã. A segunda, sustentada por nós, do campo anticolonial, de que se trata de fato de um acidente, o qual está sendo utilizado para uma operação improvisada de false flag. As causas do acidente, no entanto, são desconhecidas.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s