Sobre a perseguição política da Prefeitura de Crivella na Eleição do Conselho Tutelar

A eleição do Conselho Tutelar do ano de 2019 foi marcada por  uma forte disputa política e ideológica nos bairros, e ainda por uma falsa capa de neutralidade.

A prefeitura de Crivella perseguiu e atacou politicamente qualquer força dissonante.

A Fernanda, militante política eleita na vice-suplência do Conselho Tutelar, foi negada defesa, e no seu lugar entrou uma evangélica, beneficiada por seu corte. Fernanda, além de militante do PT, é católica.  

Nós, do núcleo petista Ninguém Fica Para Trás, iniciamos uma campanha de autodefesa e proteção política no Partido dos Trabalhadores.

Fernanda e mais duas conselheiras tutelares foram perseguidas e cortadas sumariamente, retirando do povo a validade de seu  voto. Junto com Fernanda, outas duas petistas foram perseguidas, Carol e Janaína. A maquina de Crivella utilizou essa eleição como prévias para eleição dos vereadores e da Prefeitura. O Prefeito do Rio de Janeiro é um agente da perseguição política.

.A intolerância religiosa se soma aos interesses de perseguição política, e são instrumentos sistematicamente utilizados pela cúpula da Igreja Universal, que se empenha de todas as formas, sem preocupações legais ou éticas, para criar, manter e ampliar seus nichos eleitorais.

Cabe a nós, neste e em tantos outros casos, lutar na defesa das liberdades religiosas e pelo pleno exercício político.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s