Crise no Amazonas é uma operação dos militares para despovoamento e recolonização

O Amazonas é o maior estado da federação, porém é um dos mais baixos índices de densidade demográfica. Segundo o último censo de 2010 realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) o estado tem cerca de 3.483.985 habitantes.

A crise economica, social e sanitária acarretadas a partir do golpe de Estado de 2016 e a sabotagem da operação do FBI no Brasil, a Lava-Jato, impactou a vida social no estado. O amazonas é o terceiro estado com maior taxa de desemprego do país. Hoje, o desemprego chegou, em meados de janeiro de 2021, a 18,2% e Manaus é a capital com mais desempregados do Brasil.

No estado, a população economicamente ativa, cerca de 1,34 milhões pessoas, 700 mil estão na informalidade, ou seja, 58,9%. Segundo o PNAD do IBGE (2020), mais de 1,1 milhão de amazonenses estão fora da força de trabalho.

Dentre os setores com maior peso na economia do estado, o setor que mais demitiu foi a construção civil com 17 mil desempregados, fortemente atacado pela Lava-Jato; seguido da administração pública, impactados pelas reformas, menos 15 mil empregos; a indústria da transformação, menos 7 mil postos; o trabalho doméstico menos 7 mil e o agronegócio, menos 6 mil.

Segundo o IBGE (2018), no Amazonas, cerca de 45,7% da população vive abaixo da linha da pobreza, recebem 30,99 reais por dia. De forma proposital, o Governo Federal vem ocultando e omitindo os dados oficiais durante a pandemia.

De acordo com a Controladoria Geral da União (CGU), cerca e 1,2 milhões de pessoas receberam o benefício do auxílio emergencial.

Segundo a Comissão de Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (CDC/ALEAM), em dezembro, o preço médio da cesta básica ficou em 248,96 reais. Portanto, 34,5 % da população beneficiários do auxílio emergencial comprometem cerca de 83% da renda na compra de alimentos de necessidade básica. Com do programa essas famílias cairão na fome e miséria.

Os dados expostos relatam a destruição do tecido economico e social do estado do Amazonas. Cuja maioria das pessoas não tem emprego e suas condições precárias de vida eleva o risco de contágio ao coronavírus. Segundo o ministério da saúde, em 7 de fevereiro, o número de casos atingiu 278.789 e 8.815 mortes, desconsiderando a falta de testes e a subnotificação.

A destruição do Amazonas não é de agora. Lembrando que os sucessivos governos neoliberais e os militares vem atacando o estado durante décadas. Em uma rápida pesquisa na imprensa, podemos observar as inumeráveis declarações dos militares sobre o Amazonas. Por exemplo, tudo que o Mourão faz é falar da Amazonia. Porém, quem o elegeu como representante do estado? Na realidade, o Alto Comando autodeclarou Mourão como soberano monárquico daquele território, porque eles pretendem entregar tudo para o império estadunidense.

Mourão e os generais do Alto Comando não montaram a estratégia de destruição da Amazónia sozinhos. Eles seguem ordens de Washington, que pretende despovoar e privatizar o território. Isso prova que nossos militares são inseguro e fracos, porque quando o general não cria a estratégia ele é um soldado e não um comandante. É exatamente por isso que os militares do Alto Comando gostam de manter a aparência de oficiais, sempre estão ostentam medalhas e parentes para simular força e autoridade que eles não tem.

Da destruição econômica, queimadas ao coronavírus, os militares estão criando crises constantes para recolonizarem aquele estado, ou seja, estão conduzindo uma operação militar de extermínio e de ocupação.

Entretando, numa operação militar o elemento mais importante é manter a moral da operação. Sempre crises geram desestabilidade e atraem outros inimigos. Por exemplo, basta analizarmos a resultante das crises geradas pelos EUA no Oriente Médio.

Os militares estão constantemente destruindo todos os aspectos nacionais, pois a missão desses golpistas é subscrever o Brasil sob a tutela do imperialismo estadunidense. Evitando assim, o surgimento do Brasil, que tenta constantemente nascer como nação soberana.

Para ganhar tempo, os militares aplicam metodologia antiga para simular uma rivalidade que não existe entre os golpistas. Não podemos cansar de falar que todas as direitas na América Latina são entregistas. Elas podem divergir na tática, mas a estratégia é sempre manter os países da região em seus status de colonias. A todo momento tentam forçar a escolha de um lado do golpe e qualquer lado que a oposição escolha o governo colonial brasileiro, o GSI, vence.

Está claro que o miliciano é uma tática dos militares para se protejerem dos ataques morais. Dentro de regime ditatorial do GSI – Gabinete de Segurança Institucional, não faz sentido processar o miliciano se não for para chantagear-lo.

Se o miliciano é criminoso, os militares são igualmente genocidas, pois conspiraram com uma potência estrangeira para derrubar o governo do próprio país e tomarem o poder. Devemos lembrar também que, Heleno é traficante de cocaína e é impossível que todo o sistema de policia e jurídico, incluindo o FBI e CIA que estão no Brasil, não saiba de seus crimes, pois sobram evidencias que eles tem conhecimento de tais fatos.

Diante desse quadro, o que deve ser feito pela oposição nacionalista? Para nos livrarmos da escória golpista e militar é preciso exercer pressão, evidenciar as relações ente os EUA e seus soldados aqui dentro. Porém, para exercer essa pressão devemos destruir qualquer tipo de ilusão com a institucionalidade apodrecida do golpe de Estado de 2016.

Sabia que a partir de 16 centavos ao dia você ajuda a imprensa popular e investiga a se manter? Acesse www.apoia.se/vozoperariarj para saber mais.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s