Atualização da análise política – COLUNA

Coluna de Severino da Silva

CAPITALISMO ENCALHADO

Nesta semana o Canal de Suez, por onde passam cerca de 10% do comércio marítimo internacional, foi bloqueado pelo cargueiro MV Ever Given. Calcula-se que o total dos prejuízos causados chega a U$ 400 milhões por hora. Sem dúvida alguma essa conta será colocada na mesa da classe trabalhadora mundial que já encontra-se em uma situação de grandes dificuldades devido à Pandemia de COVID 19. Um dos impactos mais imediatos pode ser ainda mais aumentos no preço da gasolina. E um país como o Brasil, dependente do trasporte rodoviário, isso causará impacto nos preços de todos os demais produtos.

LULA FALA COMO PRESIDENTE

Em entrevista à CNN internacional, Lula fez pedido público para que o G-20 faça um esforço concentrado para enviar vacinas ao Brasil, epicentro mundial da pandemia de COVID. Essa declaração é coerente com a afirmação anterior, feita no Sindimetal – SBC, de que o país não tem governo. Colocando-se não como candidato, mas como alguém que age para suprir uma vazio de desgoverno, Lula, na prática, lança-se candidato à presidência. Em ato desesperado, como resposta o (des) governo fez vazar uma carta de Joe Biden prometendo cooperação no combate à COVID.

A constate preocupação em responder de imediato todos os atos e falas de Lula mostra que sua reentrada em cena causa preocupação e desequilíbrio nos setores da direita abrindo uma nova conjuntura.

GOVERNO CAMBALEIA DE CRISE EM CRISE, MAS NINGUÉM QUER EMPURRAR PARA CAIR.

O suposto ministro das Relações Exteriores do Brasil foi recebido por um Senado agressivo que, praticamente anunciou sua demissão. Decidido a vetar toda e qualquer decisão do Itamaraty, o Senado inviabiliza a permanência de Araújo no Ministério. Essa articulação mostra um avanço da direita tradicional, auto intitulada “Centrão”, em uma ofensiva para ocupar um vazio de autoridade causado pela desmoralização do governo. O enfraquecimento do governo, que enfrenta sucessivos “panelaços”, desgaste interto e externo, e uma escalada assombrosa do número de mortes por dia coloca na ordem do dia a necessidade de medir forças para definir quem de fato ocupará o poder em um governo pós terraplanismo.

A movimentação para criar um novo governo é feita por setores da direita através dos seus métodos tradicionais: articulação com empresários, ação da imprensa aliada e ações parlamentares. Todos setores comprometidos em manter o governo até o final de 2022 administrando o imobilismo de forma que as forças populares não entrem em cena através de greves e manifestações, o que daria um tom excessivamente vermelho à solução para a crise.

Na esquerda, até o momento, a entrada de Lula na disputa altera a correlação e forças, mas ainda falta o elemento essencial e do qual a esquerda não pode prescindir: a mobilização popular permanente e sem tréguas, sem o que até mesmo a possibilidade de Lula participar da sisputa eleitoral estará eternamente ameaçada.

Não existe ação de esquerda para organizar manifestações de rua e sequer para organizar de forma coordenada uma série de panelaços que faça aumentar a pressão.

… ENQUANTO ISSO, OS BICHOS ESCROTOS SAEM DO ESGOTO… E PEDEM PARA QUE O POVO APENAS CONTINUE TRABALHANDO

O Brasil ultrapassou a assombrosa barreria dos três mil em número de mortes diárias. Isso oficialmente. Se forem levadas em conta as mortes não testadas, seguramente será constatado que até mesmo a barreira dos quatro mil foi quebrada.

Durante toda a pandemia, representantes de empresários exerceram muita pressão sobre os  governos para que medidas de restrição de comércio e circulação de pessoas não fossem adotadas. Diante do agravamento da crise sanitária, porém, esses governos viram-se obrigados a apresentar uma resposta até mesmo para não ficarem tão desmoralizados quanto o governo central.

Contra as medidas restritivas então adotadas, a velha classe parasitária retirou as coleiras dos seus cães. Nesta semana aconteceram algumas manifestações em alguns lugares exigindo que o povo continue trabalhando e expondo-se a todos os riscos. O caráter de classe dessas manifestações, por sua composição social e suas reivindicações, é nitidamente burguês e anti operário. Esse é um sintoma muito perigoso. A ocupação das ruas pela direta/extrema direita enquanto a esquerda encontra-se desmobilizada pode trazer consequências muito desastrosas. É urgentemente necessário que no meio das forças populares seja retomado o debate sobre como travar o combate através dos métodos da luta de classes.

Sabia que a partir de 16 centavos ao dia você ajuda a imprensa popular e investiga a se manter? Acesse www.apoia.se/vozoperariarj para saber mais.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s